Televisão: Being Erica




Já que no post de ressurreição do blog (domingo) eu coloquei um trecho do primeiro episódio de Being Erica, vou apresentar a série àqueles que ainda não a conhecem.
Being Erica conta a história de Erica Strange, uma mulher de 32 anos que está insatisfeita com a sua vida por causa das más decisões que tomou ao longo dela. Depois de sofrer um ataque de alergia, Erica conhece Dr. Tom, um "terapeuta" que está disposto a ajudá-la de uma maneira nada convencional. Para isso, Erica deve se comprometer a não abandonar o tratamento.



A cada episódio somos reportados a uma das más escolhas de Erica. Porém, o que sentimos, é que essas podem ser as nossas escolhas. Quem nunca se arrependeu de algo que fez? E se tivéssemos a chance de voltar e reescrever a história.
Eu estava cansada das séries que vejo quando li em um blog a respeito dessa série. Em um fim de semana tinha acabado a primeira temporada. A série conta com 4 temporadas - infelizmente já acabou. Eu ainda estou na segunda, pois não conseguia baixar os episódios, mas uma amiga minha viu e disse que é um pena eu não conseguir assistir logo.
É uma série sobre o jogo da vida, a importância que damos a cada movimento das peças no tabuleiro. Erica prova que, por mais que se mude o evento, nem sempre se obtém a consequência desejada. Às vezes conseguimos, outra vezes não fazemos diferença alguma e, outras ainda, conseguimos nos arrepender mais das mudanças. Sem falar que, sempre olhamos para o passado como se fôssemos os únicos personagens da história, esquecendo-nos que há mais outros "eus" no mundo. Nossas escolhas não são isoladas, e a vida de um está interligada a do outro.
É impossível não se identificar com pelo menos um dos erros dela. Sabe aquela frase que você disse e que mudou tudo? Ou aquela infantilidade que estragou uma ocasião? Uma coisa que aparentemente era boa, mas que a longo prazo se mostrou dolorosa? Ou aquela que foi difícil mas que foi a certa? 
E, por fim, mostra-nos que há coisas que não podemos mudar e coisas que pelo simples fato de revivermos, já modificamos. Cada experiência na vida é única e necessária. É como as letras de uma cruzadinha, que se encaixam e formam diferentes palavras, mas que, se faltarem, não completam o quadro.
Eu recomendo bastante para quem, como eu, adora chorar, rir e sonhar com uma mesma série.


Nenhum comentário:

Postar um comentário