Adormecida (Anna Sheehan)

Adormecida - Anna Sheehan

Livro: Adormecida

Autora: Anna Sheehan

Editora: Lua de Papel

Rose Fitzroy esteve dormindo profundamente por décadas. Imersa num sono induzido, esquecida em um porão por mais de 60 anos, a jovem foi tratada como desaparecida enquanto os anos sombrios pairavam sobre o mundo. Despertada como por encanto e descobrindo-se herdeira de uma corporação multimilionária, Rose vai entendendo pouco a pouco, tudo o que aconteceu em sua ausência.

Ela descobre que seus pais estão mortos. O rapaz por quem era apaixonada não é mais que uma mera lembrança. A Terra se tornou um lugar estranho e perigoso, especialmente para ela, que terá de assumir seu lugar à frente dos negócios.

Desejando adaptar-se à nova realidade, Rose só consegue confiar numa única pessoa estranhamente familiar. Rose até gostaria de deixar o passado para trás, no entanto, ao pressentir o perigo, percebe que precisa enfrentá-lo - ou não haverá futuro.

Imagine-se indo dormir, como você está habituado a fazer, e acordando 62 anos depois, no mesmo lugar, mas com imensas modificações. É o que acontece com Rose. Num dia, ela é apenas a menina rica de 16 anos; no outro, ela é a princesa que acaba de ser despertada após décadas em estase.

Um vez acordada, Rose tem que aprender tudo o que se passou em sua ausência, bem como a se portar nesse novo mundo. Mas como fazer isso, quando existem somente buracos em sua mente e um inimigo invencível atrás de você?

Confesso que, quando comecei a leitura, demorei a me empolgar. Parecia-me algo muito infantil e entendiante. Mas, a partir do momento em que um homem de plástico apareceu na vida de Rose, com a intenção de dominá-la, tudo melhorou. Com a chegada dele, novos mistérios foram sendo revelados e a história ficou cada vez mais complexa, porque ninguém sabia quem era seu comandante, nem o porquê de ele estar atrás de Rose. Essa foi uma das grandes surpresas do livro, pois Rose descobre que aqueles que mais queriam protegê-la, estavam, na verdade, privando-a de viver. E por motivos egoístas.