Resenha: The Goddess Test (Aimée Carter)

THE_GODDESS_TEST_1297894194PLivro:  The Goddess Test
Autora: Aimée Carter
Editora: Harlequim Books
Ano: 2011
http://www.skoob.com.br/livro/151349

It's always been just Kate and her mom--and now her mother is dying. Her last wish? To move back to her childhood home. So Kate's going to start at a new school with no friends, no other family and the fear her mother won't live past the fall. Then she meets Henry. Dark. Tortured. And mesmerizing. He claims to be Hades, god of the Underworld--and if she accepts his bargain, he'll keep her mother alive while Kate tries to pass seven tests. Kate is sure he's crazy--until she sees him bring a girl back from the dead. Now saving her mother seems crazily possible. If she succeeds, she'll become Henry's future bride, and a goddess. If she fails...

“Sempre foi apenas Kate e sua mãe – e agora a mãe dela está morrendo. Seu último desejo? Mudar-se para sua casa de infância. Portanto, Kate irá a uma nova escola, sem nenhum amigo, nenhum outro familiar e o medo de que sua mãe não viverá até o outono. Então ela conhece Henry. Obscuro. Torurado. E impressionante. Ele alega ser Hade, deus do submundo – e se ela aceitar sua barganha, ele deixará a mãe dela viva. enquanto Kate tenta passar sete testes. Kate tem certeza de que ele é louco – até ele trazer uma garota de volta à vida. Agora, salvar sua mãe parece até possível. Se ele tiver sucesso, ela se tornará a futura noiva de Henry, e uma deusa. Se ela falhar…”

Que vergonha, eu aqui, depois de meses, finalmente postando. E não posso nem dizer que não li livro algum para falar sobre… Mas esqueçamos esse pequeno pecado e falemos sobre um dos livros que andei lendo – já faz algum tempo que o li; portanto, talvez eu não lembre de muuuitos detalhes.

Vocês já devem ter percebido que eu tenho certo fraco por livros de mitologia. Talvez seja a influência de meu nome, ou talvez seja meu gosto por história. Ou talvez ambos, ou talvez nenhum. The Goddess test conta a história de Kate tentando passar por vários testes para que possa ser a nova deusa do submundo – substituir Perséfone, que optou por dar seguimento à vida, viver e morrer – e salvar sua mãe.

A princípio a mocinha não está apaixonada por Henry, mas aceita a ideia de ser sua noiva, tendo em vista que poderá conviver por mais tempo com sua mãe. O grande problema é que várias já tentaram, e nenhuma conseguiu. Alguém vêm tentando sabotar os testes, embora ninguém saiba o motivo. Seria James, o novo e grande amigo de Kate? Seria Ava, a amiga exibicionista? Ou seria alguém desconhecido e inimaginável? E, por fim, se conseguir superar os perigos, conseguirá Kate superar o amor de Perséfone?

Foi um livro legal até. Não diria maravilhos, pois não chega a tanto. Embora tenha amado Henry e o seu lado sombrio, não gostei de Kate. Muito chorona e boazinha. Seus pecados: comer demais, ser gentil demais, bondosa demais. E tomei certa raiva dela pelo fato de que ela não ficou nem um pouco revoltada quando descobriu a verdade sobre sua mãe – que, tacharam!, é uma deusa, como você descobre já no primeiro capítulo, então não é spoiler. A primeira coisa que eu pensaria, no caso dela, é: “Fui enganada a minha vida inteira e manipulada para estar aqui, passando por testes e tentando me casar com Henry! Vocês me fizeram pensar que minha mãe ia realmente morrer, como qualquer humana doente! E vocês ainda têm a coragem de dizer que sempre me permitiram fazer minahs próprias escolhas! Obrigada por essa alternativa tão viável que era a dedizer não a tudo isso!”. Kate, contudo, só fica feliz com a descoberta. A raiva nem passa por sua mente. E eu realmente detestei isso.

O ponto positivo? Bom, a parte do mistério acerca do assassino é legal, e a resposta eu achei até surpreendente. Eu fiquei tentando imaginar quem seria o grande culpado e – para minha tristeza – eu errei. Bom, errei até ficar óbvio, pois antes da revelação a autora já deixa visível quem vem destronar Henry – ah, sim, porque ele vai perder o trono e morrer, na medida do possível, se não encontrar uma rainha.

Ignorem as críticas a respeito da mocinha, pois os momentos dela com Henry valem a leitura! Uma leitura difícil – não, não pela escrita – mas porque não tem tradução. Eu consegui na internet uma tradução do primeiro e do conto intermediário (The Goddess Test #1.5 – The Goddess Hunt) – do qual farei uma resenha, um dia… –, mas o local foi fechado. Não sei se alguma editora brasileira o publicará. Espero que sim! Mas certamente a escrita não é difícil e, quem sabe inglês, pode lê-lo. Mas também terá que procurar na querida rede, pois na saraiva, só tem a edição digital do primeiro conto intermediário.´

Lá fora, já foram lançadas 4 continuações: #1.5 – The Goddess Hunt; #2 – Goddess Interrupted; #2.5 – The Goddess Legacy; e #3 – The Goddess Inheritance.

Boa Leitura! Esperem mais posts durante a semana! Alegre

Nenhum comentário:

Postar um comentário